Defesa Animal e Veganismo

Vídeo sobre o movimento de libertação animal, direitos animais, compaixão animal e ativismo.

 

No Livro Jaulas Vazias - Encarando o Desafio dos Direitos Animais,
o filósofo americano Tom Regan em seu livro de 2004 (Editora Lugano)
nos fornece alguns dados sobre a realidade dos animais :

- A verdade nua e crua é que a grande maioria dos animais criados em granjas industriais, literalmente bilhões deles, sofrem cada um dos minutos em que estão vivos. Fisicamente, estão debilitados por epidemias e enfermidades crônicas. Psicologicamente, estão massacrados pelos efeitos cumulativos da desorientação e da depressão. É notável que, apesar de tudo, a integridade de seus seres permanece, esperando ser libertada.
- Aproximadamente dez bilhões de animais de produção são abatidos anualmente, só nos Estados Unidos ! As granjas industriais lucram auxiliadas pelos subsídios do governo.
- Cerca de cem milhões de porcos são abatidos anualmente nos EUA. A maioria passa os 4 a 6 meses que duram suas vidas sobre barras de metal ou concreto em ambientes super lotados.
Como o ar fica cheio de amônia, poeira e partículas de pele e pêlo, a maioria dos porcos sofre de doenças respiratórias. Estima-se que 70 por cento tenham pneumonia ao serem abatidos.
- As porcas pesando até 180 quilos ficam confinadas em baias de 61 cm de largura durante a maior parte de sua vida de sucessivas gestações, que pode chegar a 4 anos.
- Cerca de 9 bilhões de frangos são abatidos anualmente, só nos EUA. Como resultado do cruzamento seletivo, os frangos de corte de hoje pesam quase o dobro, no momento do abate, do que seus antepassados.
É comum eles terem vértebras machucadas, ossos quebrados e juntas inflamadas. O excesso de peso, prejudica seu sistema cardiovascular e infartos acontecem todo dia.
O odor opressivo de amônia que impregna as granjas de frango de corte vem das fezes em decomposição. Os vapores da amônia atacam o sistema imune e o aparelho respiratório dos animais.
Em média os frangos de corte machos vivem 6 semanas e as fêmeas, sete, até serem transportados para o abate. As galinhas poderiam viver com saúde de 12 a 15 anos. Os frangos de corte são simples bebês, no momento do abate.
- Cerca de 300 milhões de galinhas botam ovos todos os dias nos EUA. A produção média anual de cada ave é de cerca de 250 ovos e a vida média de 2 anos.
A grande maioria das poedeiras fica amontoada dentro das baterias, que são um enorme conjunto de gaiolas de metal, colocadas umas sobre as outras. As galinhas de baixo vivem sob uma torrente ininterrupta de excrementos produzidos pelas de cima. Quase a metade dessas aves tem anormalidade nas pernas ou unhas. Todas sofrem a dor e o trauma da debicagem.
Assim como os bezerros machos nascidos em granjas produtoras de leite, os pintinhos machos nascidos em granjas produtoras de ovos estão no lugar errado. Já que isto ocorre 50 por cento do tempo, todo ano são mortos,no mesmo dia em que nascem, uns 150 milhões de pintinhos machos. São jogados em latas de lixo ou triturados.
A "muda forçada" é uma prática comum. Para "encorajar" um novo ciclo de postura de ovos, as galinhas não ganham comida durante 14 dias, período em que podem perder até 25% de seu peso. Dez por cento das poedeiras morrem durante o período de muda forçada.
- Pelo menos a metade do gado leiteiro dos EUA é criada permanentemente dentro de instalações, quase sempre de concreto. Outra grande porcentagem do gado fica nos chamados "terrenos secos", que são recintos cercados e sem qualquer atrativo, sem um fio de capim para pastar, nem uma palha para deitar-se.
Em média, as vacas leiteiras ficam prenhes uma vez por ano durante 3 ou 4 anos, depois dos quais muitas são vendidas para serem transformadas em produtos de carne baratos (40% dos hambúrgueres vendidos nos mercados e restaurantes vêm da carne de vacas leiteiras descartadas).
Como resultado da manipulação genética e cruzamento seletivo, algumas vacas produzem até 44 litros de leite por dia, dez vezes sua capacidade normal. Vacas leiteiras saudáveis, em um ambiente favorável, podem viver até 25 anos.
- 800 mil bezerros por ano entram para a indústria da vitela. São nascidos de rebanhos leiteiros e ficam permanentemente presos em baias individuais. São tirados de suas mães horas ou dias (menos de 7) depois de nascerem.
- Gado vendido como carne são mais de 35 milhões de cabeças anualmente, só nos EUA. A maioria do gado de corte passa grande parte da vida em currais de engorda. Alguns abrigam mais de 100 mil animais. A dieta consiste quase exclusivamente de grãos que junto com fortes doses de estimulantes de crescimento aceleram a engorda.
- Não se exige que os inspetores encarregados de garantir o cumprimento da Lei do Abate Humanitário visitem as áreas onde os animais são abatidos. Inspetores que tentar parar a "linha" são repreendidos. Os animais caídos, que estão tão doentes ou machucados que não conseguem ficar de pé nem andar são na maioria vacas leiteiras, depois que elas não conseguem mais produzir leite.
- Toda vez que compramos produtos de couro, damos nosso apoio ao abuso de animais, que é parte inseparável da produção massiva nas granjas industriais de hoje. Muitos fazendeiros teriam que fechar seus negócios se os consumidores boicotassem o mercado de couro.
-
Chega uma hora na vida do carneiro merino da Austrália, em que ele não produz mais lã de boa qualidade. Para os estimados 7 milhões de carneiros anuais, isto significa que eles estão destinados a virar carne, no mercado do Oriente Médio. Eles são empurrados para dentro de navios enormes, passam 3 semanas no mar e são descarregados até encontrarem seu fim terrível no abatedouro.
- Segundo Tom Regan temos a obrigação de parar de comer corpos de animais ("carne"), leite, queijo e ovos. A produção animal comercial não é possível sem a violação dos direitos dos animais criados em granjas, incluindo a violação do seu direito à vida.

Veja a versão em inglês do vídeo acima.

Uma foto de abate bovino.

Vegetarianismo pelos animais.